quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Bestealidades...

Enquanto tivermos a bestealidade de ouvir o Bastonário da Ordem dos Médicos a dizer que o novo curso de medicina da Universidade de Aveiro "é uma grande asneira", quando em 2005, "considerou que o problema de falta de médicos estaria resolvido com o aumento de vagas nas faculdades", Portugal, continuará a ter os hospitais privados a obter grandes lucros, e a investir em novas unidades hospitalares, e os hospitais públicos a debaterem-se com a crescente falta de médicos, não só de médicos de família, como em áreas de especialidade e ao nível das urgências , obtendo grandes prejuizos...

2 Caixa do leitor:

Teresa Fidalgo disse...

Ora aí está um verdadeiro argumento a favor da manutenção das castas intocáveis que são os médicos... Porque de outro modo não se entende, já que, como todos sabemos, eles escaceiam...
Pois claro, se houver mais médicos, há mais concorrencia, PODEM baixar os preços das consultas e tratamentos, haver distribuição de doentes por outros consultórios (ou mesmo ser suficiente o serviço público), o que não é nada bom para o bastonário e os outros médicos, porque deixam de poder APROVEITAR-SE dos doentes, tal como o fazem.
É relamente uma bestealidade...

Ferreira-Pinto disse...

Confesso que ontem gostei de ouvir o Senhor Bastonário, pois tivemos ali direito a uma pugente defesa do corporativismo mais exarcebado que existe!